Terça, 07 de Dezembro de 2021
Senado Federal Senado Federal

CPI ouve nesta quinta-feira boliviana responsável por controle de voo da Chapecoense

Após paralisação por conta da pandemia, a comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre o acidente aéreo da Chapecoense retoma suas atividades com ...

16/11/2021 às 15h00
Por: Redação Fonte: Agência Senado
Compartilhe:
Izalci, que pediu a audiência, e Jorginho, presidente da CPI, em reunião do colegiado em março de 2020 - Beto Barata/Agência Senado
Izalci, que pediu a audiência, e Jorginho, presidente da CPI, em reunião do colegiado em março de 2020 - Beto Barata/Agência Senado

Após paralisação por conta da pandemia, a comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre o acidente aéreo da Chapecoense retoma suas atividades com o depoimento de Celia Castedo Monastério, inspetora do serviço de administração de aeroportos e aviação da Bolívia. A oitiva está marcada para as 10h desta quinta-feira (18).

O requerimento é do relator da comissão, Izalci Lucas (PSDB-DF). 

"A inspetora da Administracio?n de Aeropuertos y Servicios Auxiliares a la Navegacio?n Ae?rea [Aasana] já teve a oportunidade de prestar alguns esclarecimentos à Procuradoria Regional de Chapecó, quando afirmou que o dever de checar a existência de problemas no plano de voo, das condições do avião e dos tripulantes, é dos inspetores da Direção Geral de Aeronáutica Civil da Bolívia (DGAC). Acreditamos que a oitiva da inspetora será de grande valia para o esclarecimento dos fatos investigados", justificou Izalci no pedido da audiência. 

Em 23 de setembro, a controladora foi presa pela Polícia Federal em Corumbá (MS), a mando do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, que também emitiu uma ordem de extradição. Celia Monastério responde na Bolívia pela prática do crime de atentado contra a segurança do espaço aéreo.

Requerimentos

Antes de ouvir a boliviana, os parlamentares vão fazer uma reunião deliberativa para análise de requerimentos. São sete pedidos de convocação na pauta. Entre eles, de representantes da seguradora Tokio Marine e da corretora AON. 

"As citadas seguradoras buscam se eximir de responsabilidade securitária para com as vítimas e familiares no caso do acidente aéreo envolvendo a Chapecoense, ocorrido há quase cinco anos, no qual foram vitimados 77 cidadãos brasileiros no exterior",  explicou. 

A CPI da Chapecoense trata da situação dos familiares das vítimas do acidente com a Associação Chapecoense de Futebol, em 2016. O avião que transportava jogadores, comissão técnica e convidados para a final da Copa Sul-Americana, em Medellín, na Colômbia, sofreu uma pane por falta de combustível e caiu em uma área de floresta nas imediações da cidade. Das 77 pessoas a bordo, 71 morreram. O presidente do colegiado é o senador Jorginho Mello (PL-SC). 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.