Sexta, 28 de Janeiro de 2022
Senado Federal Senado Federal

Senadores exigem do ministro Rogério Marinho transparência na execução do Orçamento

Ouvido pela Comissão de Fiscalização e Controle nesta terça-feira (7), o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, negou qualquer irre...

07/12/2021 às 22h35
Por: Redação Fonte: Agência Senado
Compartilhe:
Waldemir Barreto/Agência Senado
Waldemir Barreto/Agência Senado

Ouvido pela Comissão de Fiscalização e Controle nesta terça-feira (7), o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, negou qualquer irregularidade ou falta de ética na distribuição de recursos orçamentários a seu ministério através das emendas de relator. No entanto, os senadores presentes à reunião reiteraram as críticas à falta de transparência nas emendas RP9, cujos repasses foram suspensos por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

A reunião com Marinho atendeu a requerimento do senador Styvenson Valentim (Podemos-RN), que fez referência a uma reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, de 20 de setembro, sobre um possível direcionamento de emenda feito pelo ministro, no valor de R$ 1,4 milhão, no Ministério do Turismo. O recurso teria sido direcionado, segundo a publicação, para a obra de um mirante turístico a 300 metros de uma propriedade de Rogério Marinho no município de Monte das Gameleiras (RN).

Sobre o caso, o chefe da pasta limitou-se a definir como “lícito, normal e legítimo” um parlamentar abordar qualquer ministro para fazer solicitações, mas que atendê-las ou não "é outra questão".

Ratificação de emendas

Marinho confirmou à CTFC sua posição expressa em audiência na Câmara dos Deputados, em 8 de junho, de que a distribuição orçamentária de RP9 é discricionária do relator-geral e o ministério seria apenas o responsável por sua execução. Porém, Styvenson apresentou ofício do Ministério do Desenvolvimento Regional encaminhado ao relator pedindo a confirmação das indicações dos beneficiários, afirmando que o documento faz supor que Marinho teria influência nas indicações de beneficiários do RP9.

O ministro afirmou que o documento “não desmonta, mas ratifica” a tese da discricionariedade do relator, desde que as emendas estejam em conformidade com os critérios técnicos da pasta.

— Nossa posição é de, recebendo a indicação do relator, observar se ela se ajusta a esses critérios, se há cobertura orçamentária, se há conforto jurídico, aí, sim, nós fazemos o apontamento para fazer o empenho e a respectiva aplicação subsequente. É dessa forma que as coisas funcionam — explicou Marinho.

Diante do argumento de que as indicações são todas de responsabilidade do relator, Styvenson perguntou ao ministro como é possível ter acesso às indicações de cada parlamentar. Rogério Marinho declarou que não tem essa informação.

— Eu nunca recebi essa informação. Vossa Excelência, quando votou o Orçamento por duas vezes, Vossa Excelência e seus pares não mudaram o Orçamento para que eu tivesse essa condição de acesso. Pode ser que agora Vossa Excelência consiga, juntamente com seus pares, resolver esse problema — respondeu.

Tratores

Marinho também negou qualquer abuso de poder político no ato de distribuição de tratores e caminhões a 39 municípios do Rio Grande do Norte. Ele ressaltou que é missão do ministério combater as desigualdades regionais.

—A Codevasf [Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba] entregou quase 14 mil máquinas nos estados em que ela tem atuação. O Rio Grande do Norte recebeu pouco mais de 500. Se o senhor está achando que é muito, eu acho que não. Eu acho que o Rio Grande do Norte precisa ser ajudado.

O ministro fez a ressalva de que tem direito a exercer sua “atividade como cidadão” nos finais de semana e fora do expediente, incluindo o direito de pleitear mandato político, mas argumentou que a entrega das máquinas pela Codevasf não tem qualquer vínculo com tais intenções e que todos os dados a respeito constam do Portal da Transparência.

Sobrepreço

Styvenson mostrou a Rogério Marinho relatório de apuração da Controladoria-Geral da União (CGU) que apontou “risco alto ou extremo risco de sobrepreço” num grande número de convênios do Ministério do Desenvolvimento Regional. O ministro disse que quaisquer problemas já foram corrigidos.

— Nós é que pedimos à CGU e à própria Polícia Federal que se debruçassem sobre os atos do nosso ministério para verificar se estavam de conformidade com a legislação e se havia alguma coisa a ser corrigida. Essa ata deu uma diferença de menos de 4,5%, se você verificar.

‘Leite derramado’

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE), que saudou Rogério Marinho como “tocador de obras”, classificou como “estarrecedoras” as emendas de relator e cobrou avanços legislativos para ampliar a transparência no Orçamento. Para Marinho, o Congresso perdeu a chance de ter enfrentado a questão por ocasião da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2019, e hoje o Brasil assiste uma “discussão do leite derramado”.

— O senhor acha que foi confortável para o Executivo, bruscamente, mudar a forma de execução orçamentária, e boa parte dos recursos que estavam alocados na proposta originária, como a RP12, terem sido modificados pelo Legislativo e entrarem no RP 9, que era um elemento novo, em 13 ministérios? (…) Nós estamos entrando no terceiro Orçamento, senador. E estamos sendo inquiridos, nós, os executivos, sobre uma situação que foi gestada e votada pelo Legislativo.

Marinho também defendeu o direito do parlamentar de destinar emendas para estados diferentes. Girão, apesar de considerar que o ministro se porta dentro da lei, questionou a prática.

— Nem tudo que é legal é moral. Você pegar mais de R$ 100 milhões e destinar para a prefeitura (…) que é administrada pela sua mãe, isso é de assustar qualquer cristão, qualquer cidadão de bem — lamentou.

Solicitações ao relator

Em resposta ao presidente do colegiado, senador Reguffe (Podemos-DF), Rogério Marinho explicou que encontrou-se institucionalmente com o relator do Orçamento e solicitou recursos para o ministério, “independementemente de onde virá o recurso”, ressalvando que as alocações em 2019 do RP12 foram trocadas dentro do Orçamento para RP9.

Reguffe, que criticou duramente a falta de transparência, também questionou os motivos pelos quais o parlamentar que solicitou as emendas não gostaria de aparecer para colher os “louros políticos” da indicação.

— Isso gera uma suspeita de que há coisa muito errada por trás disso, porque, se for uma coisa boa, a pessoa vai querer aparecer. A pessoa só não quer aparecer quando não é uma coisa boa — disse Reguffe.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Salvador - BA Atualizado às 13h19 - Fonte: ClimaTempo
30°
Muitas nuvens

Mín. 24° Máx. 31°

Sáb 32°C 24°C
Dom 32°C 23°C
Seg 32°C 24°C
Ter 33°C 24°C
Qua 32°C 24°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes